Um dos momentos mais sombrios do futebol brasileiro – e a divisão que ainda é profunda

Charles Fabian demorou alguns minutos para ver o quadro completo.

O jovem atacante havia acabado de jantar no hotel da seleção brasileira na cidade de Salvador, no nordeste do país, quando o presidente da seleção baiana invadiu o local.

“Pode fazer as malas porque não vai ficar aqui”, gritava Paulo Maracajá ao agarrar Charles pelo braço.

Era junho de 1989. Uma Copa América em casa estava para começar e Charles, então com 21 anos e jogador do Bahia, não fazia muito tempo que entrava no campeonato nacional. Ele não sabia o que fazer. Sem conseguir encontrar ninguém da federação brasileira, acabou acatando a ordem de saída.

No final das contas, Maracajá resolveu resolver o problema com as próprias mãos, depois de saber que Charles estava entre os três a serem eliminados do elenco final de 20 jogadores. Ele estava furioso por seu jogador ter sido descartado.

A omissão teria consequências dramáticas. O que aconteceu a seguir vive na consciência nacional como um dos momentos mais sombrios da história do esporte brasileiro. Parecia apenas mais uma traição a um povo que há muito se sentia marginalizado – e que continua a se sentir assim até hoje.


O jogo de estreia do Brasil foi no dia seguinte, na mesma cidade nordestina – Salvador.

Charles era um ícone local e já fazia anos que um jogador de um dos times da região não era escolhido para a seleção.

Apenas 13.000 torcedores compareceram para a vitória por 3-1 sobre a Venezuela – menos da metade da capacidade – mas a mensagem enviada não poderia ter sido mais clara. Os torcedores queimaram a bandeira brasileira, vaiaram o hino nacional e obrigaram a comissão técnica a fugir do banco de reservas, lançando sinalizadores em sua direção. A indignação transbordou das arquibancadas.

“Tive sentimentos confusos naquele dia”, disse Charles. “Por um lado fiquei feliz com o apoio que recebi, mas por outro fiquei triste com o que aconteceu. Ninguém quer ver a bandeira do seu país em chamas.

“O protesto foi válido, embora, na minha opinião, pudesse ter sido feito de outra forma.”

Claramente, não se tratava apenas de futebol. Charles acabou sendo arrastado para um debate que já dura décadas, a divisão brasileira entre seus dois grandes centros populacionais – o rico sudeste e o empobrecido Nordeste, que ficam atrás em todos os indicadores sociais e econômicos.

Esta é uma parte do país onde milhões ganham menos de £ 20 por mês, onde milhões passam fome, onde o desemprego aumentou mais de 50% durante a pandemia Covid-19.

São tantas as adversidades que obriga muitos nordestinos a migrar para lugares como as cidades do sudeste de São Paulo ou do Rio de Janeiro. Mas, uma vez lá, muitas vezes a vida não fica muito mais fácil – entre os obstáculos que ainda persistem está o preconceito.

Durante quase toda a sua carreira, a lenda do Barcelona Rivaldo reclamou de não ser tratada pela mídia da mesma forma que outras estrelas do Brasil, como Romário e Ronaldo. Segundo ele, isso só tinha um motivo: ele era nordestino. Quando ele se aposentou oficialmente em 2015, a sensação geral era de que seu talento nunca havia sido realmente apreciado.

No Rio de Janeiro, as pessoas do Nordeste do Brasil são estereotipadas e universalmente chamadas de “paraibas” (alguém do estado da Paraíba), independentemente de onde realmente sejam. Em certa medida, o mesmo acontece em São Paulo, onde são chamados de “baianos” (baianos).

Um episódio é particularmente famoso no Brasil – a reação do ex-internacional Edmundo, que é carioca, ao ser expulso em uma partida em 1997.

Ele disse: “Nós viemos jogar na Paraíba [o jogo realmente aconteceu em outro estado do Nordeste, o Rio Grande do Norte] e você colocou um ‘paraíba’ [o oficial era na verdade o estado do Nordeste do Ceará] para arbitrar o jogo. Nunca poderia ter funcionado. “

Há exemplos do mais alto cargo do país também – em 2019, o presidente de extrema direita do Brasil Jair Bolsonaro, nascido no estado de São Paulo, foi pego se referindo aos governadores dos estados do Nordeste como “governadores da paraíba” em uma gravação de áudio que vazou .

No sul, as pessoas do nordeste são frequentemente consideradas social ou intelectualmente inferiores. Não é incomum ver seus sotaques locais serem ridicularizados e ridicularizados.

O ex-craque do Porto e do Zenit São Petersburgo Hulk, que é paraibano, passou por isso em entrevista coletiva antes da Copa do Mundo de 2014.

O atacante de 35 anos foi questionado por um jornalista, referindo-se aos nordestinos, se “é o sotaque que os torna engraçados”. Como um filho apaixonado da região, ele mal podia acreditar no que estava ouvindo.

“Infelizmente, sabemos que o preconceito ainda existe, não importa sua área de trabalho ou profissão”, diz Hulk, que agora está de volta ao futebol brasileiro com o Atlético Mineiro.

“Mas o nordestino é um lutador, um vencedor e pode superar tudo isso. Tenho orgulho de ser nordestino, carregando nossa bandeira e defendendo nosso povo em qualquer lugar do mundo. Agradeço muito por todo o amor e o apoio que sempre recebi. “

Apesar de ser a segunda região mais populosa do país, com aproximadamente 57 milhões de habitantes, 27% da população nacional, a área de nove estados nunca viu um jogador de futebol local representar o Brasil em uma Copa do Mundo.

Nos últimos 15 anos, apenas dois jogadores de clubes do Nordeste foram convocados pela seleção nacional – o atacante do Sport Recife Diego Souza em 2017 e o lateral-esquerdo do Náutico Douglas Santos em 2013.

Parte do problema é que jogadores talentosos geralmente não ficam por muito tempo nesses clubes, muitas vezes indo para o sul após a primeira oferta lucrativa, às vezes sem sequer fazer sua estreia sênior. Rivaldo, Bebeto, Juninho Pernambucano, Dida e Roberto Firmino seguiram caminhos semelhantes.

Com orçamentos muito menores, é simplesmente impossível para os times locais competirem financeiramente com potências como Flamengo, Palmeiras e Grêmio. Então, eles perdem seus melhores jogadores.

Uma forma de combater isso seria vender seus jovens talentos diretamente para a Europa, mas embora a situação tenha melhorado nos últimos anos, isso raramente acontece. A grande maioria ainda vai primeiro para o sudeste e depois para outras ligas. O agente franco-argelino Franck Henouda acredita que há uma razão para isso.

Henouda trabalhou como emissário do Shakhtar Donetsk no Brasil por quase duas décadas, supervisionando a chegada de Fernandinho, Willian, Fred, Douglas Costa e muitos outros. Dos 13 futebolistas brasileiros que recrutou para a seleção ucraniana, nenhum veio do Nordeste.

“Se um clube vier até mim e dizer que tenho um menino do Nordeste e outro do Sul, aconselho que assinem este último. Ele pode ser mais caro, mas os riscos são menores”, disse Henouda. diz.

“O Brasil é um país continental, então só depois de me mudar para lá nos anos 2000, percebi as diferenças entre os lugares. E Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo e Minas Gerais se destacaram para mim – produziram mais jogadores de futebol capazes de prosperar em Europa.

“Os jogadores dessas áreas são fisicamente mais fortes e não lutam contra a fome quando crescem. Eles têm aqueles cafés da manhã coloniais no sul. É totalmente diferente no nordeste.

“Outro dia estava assistindo de lá um atacante do Atlético Goianiense – gosto muito dele, mas ele tem estatura baixa e ossos pequenos, porque não se desenvolveram direito por falta de cálcio na infância. Ele vai ficar mais suscetível a lesões.

“Quando você está fechando um negócio, tem que prestar atenção a todos esses detalhes, até mesmo o tipo de tachas que o atleta usa. Se ele for do Nordeste, provavelmente terá usado tachas de borracha a vida toda, mesmo no molhado, superfícies pesadas, por isso, quando se mudar para a Europa, vai precisar de algum tempo para se acostumar com as chuteiras com as de metal. Nem todas as equipes estão dispostas a esperar por isso depois de pagar 10 milhões de euros ”.

Ainda é muito raro ver algo que ocorre fora do eixo São Paulo-Rio de Janeiro-Belo Horizonte-Porto Alegre tendo cobertura nacional no Brasil.

Em um cenário em que os clubes dependem de empreendimentos comerciais e receitas de TV, não se beneficiar dessa exposição torna mais difícil para os times nordestinos florescerem na primeira divisão.

Para as seleções nordestinas, um resultado nos 10 primeiros continua sendo o principal objetivo – e apenas três vezes na última década isso foi alcançado -, mas as coisas estão começando a mudar para melhor.

Fortaleza aumentou sua receita 10 vezes entre 2014 e 2019. Atualmente, eles estão em quarto lugar na tabela e estão nas semifinais da Copa do Brasil – pela primeira vez em 102 anos.

Enquanto isso, o Ceará registrou a dívida mais baixa do campeonato brasileiro e a Bahia também se transformou dramaticamente.

Eles haviam chegado ao fundo do poço em 2006, encontrando-se no terceiro nível. Tamanha a indignação entre os torcedores que 50 mil foram às ruas de Salvador para protestar contra a diretoria. A partir daí as coisas não mudaram rapidamente, mas em 2013 os detentores de ingressos para a temporada de 2013 finalmente tiveram a chance de votar no presidente do clube – o que é muito raro no futebol brasileiro.

Os troféus do time pelos títulos da liga de 1959 e 1988 foram encontrados jogados em sacos de lixo. Agora eles são um clube modelo. Eles pagaram parte da dívida que os estava paralisando e introduziram uma nova política de transparência.

“Não tenho dúvidas de que existia um sistema muito forte que prejudicava os jogadores de futebol nordestinos até a década de 1990”, diz o vice-presidente da Bahia, Vitor Ferraz.

“Quando você tem um time que venceu o campeonato brasileiro, como fizemos em 1988, e você vê que os jogadores só tiveram chances ocasionais, você percebe que eles teriam mais oportunidades vestindo uma camisa diferente. O que aconteceu com Charles em 1989 ilustra naquela.

“Somos agora a equipa mais democrática do país. Chamou alguma atenção da comunicação social nacional, mas sabemos que se um clube do sul tivesse feito o mesmo, o impacto teria sido muito maior.

“Damos crédito ao preconceito que ainda existe. Mas tenho certeza de que nos encontramos em uma posição muito melhor do que há 10, 15 anos.

“A partir de agora, o que acontecer em campo mudará essa realidade.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *